UseRH

Vagas afirmativas: o que são e como fazer a contratação?

As vagas afirmativas são medidas inclusivas cada vez mais adotadas pelo RH. Saiba agora como conduzir o recrutamento e fazer a contratação desses talentos.
vagas-afirmativas
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Com o aumento da conscientização acerca da relevância da promoção da diversidade no meio corporativo, gestores e demais profissionais que atuam no setor de RH (Recursos Humanos) vêm reconsiderando o formato dos processos de recrutamento e seleção (R&S) conduzidos regularmente.

A adoção de medidas inclusivas no momento de admissão de novos talentos tem ganhado força, e as vagas afirmativas têm se popularizado.

Você já ouviu a expressão por aí?

De modo geral, quando falamos de vagas afirmativas, falamos sobre igualdade nas oportunidades de contratação.

Vivemos em uma era de transformação acelerada, e com o mercado de trabalho sob constantes mudanças, a gestão organizacional humanizada passou a ser essencial, independentemente do segmento de atuação.

É chegada a hora de agir em prol da reparação de desigualdades sociais históricas e de, pelo menos, atenuar a baixa representatividade na formação das equipes.

Pensando nisso, nos próximos tópicos, vamos explicar detalhadamente o que são as vagas afirmativas, a quais grupos são normalmente direcionadas, entre outros pontos-chave.

Continue a leitura!

O que são as vagas afirmativas?

Antes de mergulhar de cabeça no significado das vagas afirmativas, vale a pena rapidamente voltar no tempo para compreender a quem estamos nos referindo ao mencionarmos os grupos socialmente desfavorecidos.

Bem, não é exatamente uma novidade que, historicamente, o Brasil é uma nação bastante marcada pela desigualdade.

As discrepâncias sociais estão fortemente presentes nos mais diferentes âmbitos — raciais, de gênero, regionais, econômicos etc.

As minorias socialmente excluídas há anos, como pessoas pretas, mulheres, indígenas, PCDs, indivíduos acima dos 40 anos de idade e participantes da comunidade LGBTQIAP+, tendem a ter acesso a menos chances de evolução e de crescimento, muitas vezes, ainda na infância.

Diante disso, as vagas afirmativas fazem parte do rol de ações afirmativas que objetivam assegurar a equidade do ambiente de trabalho.

Em outras palavras, são vagas voltadas a uma real integração dos grupos citados, visando ao combate da discriminação, principalmente em relação a parcelas da população sub-representadas e/ou marginalizadas.

Qual é a importância das vagas afirmativas para as empresas?

Não há como negar que as vagas afirmativas exercem um papel social de extrema importância, mesmo que a passos curtos.

No entanto, a sua relevância vai além, já que elas impactam positivamente as corporações, elevando os níveis de engajamento e de produtividade, o que potencializa os resultados financeiros.

Segundo dados levantados por uma pesquisa conduzida pelo Instituto Identidades do Brasil entre os anos de 2010 e 2019, em razão do crescimento da diversidade étnica-racial e de gênero, foi observado um aumento na produtividade das companhias.

Inclusive, em 2018, um estudo da McKinsey & Company, denominado “A diversidade como alavanca de performance” já indicava que as corporações mais inclusivas no que se refere ao primeiro quesito (diversidade étnica-racial) mostravam uma probabilidade 35% maior de superação da média dos setores.

E continua: os negócios que, por outro lado valorizavam mais o segundo elemento (diversidade de gênero) conseguiam atingir lucros superiores em 21%.

Contudo, os benefícios da abertura de vagas afirmativas — e da adoção de medidas afins — também abarcam, por exemplo:

1. Um melhor posicionamento institucional perante a sociedade — haja vista que investidores, parceiros, profissionais e potenciais clientes mostram uma preferência cada vez mais notória por empreendimentos que implementam ações afirmativas;

2. O fortalecimento da marca empregadora — pois, a partir do apoio às transformações sociais e da promoção à justiça e à igualdade, os negócios destacam o quão comprometidos estão com a equidade populacional, o que reverbera na criação de uma boa reputação corporativa;

3. O alcance do sucesso — já que, abraçando a diversidade, as corporações não só tendem a prosperar financeiramente, mas também se tornam mais bem-sucedidas devido à ampliação da colaboração de talentos de variadas culturas e vivências, gerando incentivo à criatividade e à receptividade ao novo.

Quem pode se candidatar às vagas afirmativas?

Reforçando o que dissemos: as vagas afirmativas são destinadas a minorias e a grupos de pessoas historicamente segregadas, inclusive no mercado de trabalho.

Ainda que as seletivas observam, basicamente, os mesmos princípios respeitados pelas demais, o mais recomendável é já adotar uma abordagem inclusiva desde a etapa de divulgação.

Além disso, como vimos, durante o processo de recrutamento e seleção, a ideia é focar indivíduos pretos e/ou pertencentes a povos originários, profissionais afetados pelo etarismo, mulheres —gestantes e mães, em especial —, refugiados ou imigrantes, integrantes da comunidade LGBTQIAP+, PCDs e membros das classes de baixa renda, por exemplo.

Inclusive, lembre-se de que o comprometimento com a mudança começa pela cultura organizacional.

Como conduzir o recrutamento e a contratação de talentos para vagas afirmativas?

Agora que já entendemos a quais grupos as vagas afirmativas são destinadas, do que se tratam realmente e por que são tão importantes, é chegada a hora de aprender o “passo a passo” para conduzir processos de R&S mais inclusivos e diversos, o que abarca:

1.  Adoção de uma linguagem mais inclusiva na descrição das vagas — os gestores de RH devem ter em mente que uma comunicação abrangente é essencial, e uma linguagem inclusiva tende a “abraçar” um número mais expressivo de pessoas;

2. A atenção aos requisitos estritamente necessários para o desempenho das funções — o departamento de pessoal precisa compreender que uma lista de exigências muito grande pode (e provavelmente vai) afugentar os candidatos, o que é justamente o oposto de uma ação afirmativa;

3. A cautela com a realização de perguntas discriminatórias — da etapa inicial do processo de R&S até a última fase da seletiva – é essencial que todos os profissionais envolvidos nos estágios de admissão da companhia empregadora sejam extremamente cautelosos no que se refere a questões que possam gerar desconforto e/ou representar preconceitos, mesmo “velados”.

Estamos vivenciando uma era de evolução nos mais diversos âmbitos e, como sociedade, é hora de deixar para trás mentalidades arcaicas e discriminatórias, promovendo a diversidade e a inclusão.

No contexto corporativo, por exemplo, as vagas afirmativas vêm se mostrando uma excelente medida, não só com o intuito de reparação histórica e/ou integração de minorias, mas também com o objetivo de melhorar os resultados empresariais e se tornar parte de um movimento que vem fazendo a diferença.

A leitura deste post também fez a diferença para você?

Que tal compartilhá-lo nas suas redes sociais e ajudar a propagar uma mudança de mindset no meio empresarial?

Vamos lá!

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Assine nossa Newsletter

Email:
Nome:

Quero treinar e desenvolver meus colaboradores com a plataforma da UseRH:










Cargo Atual:

Funcionários:
Eu concordo em receber comunicações: