UseRH

Estratégia de RH: como a sua empresa pode usar automações

O RH 4.0 enfatiza a automação para reduzir burocracia e trabalho repetitivo. Isso contribuiu com a produtividade dos colaboradores e agiliza resultados.

colegas-trabalhando-no-projeto-corporativo
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A estratégia de RH, ou seja, seu plano para alcançar os objetivos estratégicos da empresa, tem hoje um grande aliado: a automação de tarefas.

Com o auxílio da tecnologia, nossa rotina pode ser otimizada, fazendo com que tenhamos resultados mais rapidamente e sejamos mais produtivos.

Todas as áreas de uma empresa podem ser beneficiadas pela automação, inclusive o RH.

Os processos da área podem ser aperfeiçoados por meio da automação, assim como o RH tem potencial para ser um catalisador de inovações, para que os colaboradores executem mais e melhor suas capacidades humanas.

Automatizar processos é um dos pilares do RH 4.0. 

Isso porque, prevê a redução da burocracia e do trabalho repetitivo.

Neste artigo, iremos ver como a automação do RH pode potencializar os resultados da área e torná-la mais estratégica.

O que é Estratégia de RH?

O conceito de estratégia de RH, gestão estratégica de recursos humanos ou gestão estratégica de pessoas passou por transformações ao longo das décadas.

Começando na Revolução Industrial, o conceito tinha ênfase na eficiência e produtividade.

Exigia uma administração do fator humano, sendo este considerado um dos recursos de maior custo de uma organização e, também, mais difícil de gerir.

Era necessário que as pessoas se adequassem aos cargos.

Nasceram ali também os principais indicadores para a avaliação da efetividade da estratégia de RH, como custo por contratação, absenteísmo, rotatividade, entre outros.

Com o passar do tempo, os administradores perceberam que o ser humano é complexo, assim como seus comportamentos em relação às organizações.

A observação abriu caminho para o debate, com influência da antropologia e da psicologia, levando ao refinamento do conceito de gestão estratégica de RH.

Novas ferramentas agora contribuíam para “valorizar o envolvimento, a integração e o desenvolvimento dos indivíduos, satisfazendo necessidades complexas e garantindo, assim, maior produtividade e qualidade”, afirmam Mascarenhas e Kirschbaum.

Reformulando o conceito de estratégia de RH

Porém, foi apenas a partir da década de 1980 que o RH passou a se relacionar com os objetivos estratégicos das organizações.

Desde então, a estratégia de RH passou a ser o trabalho realizado pelo setor para promover um alinhamento entre os interesses e comportamentos dos indivíduos com as demandas estratégicas corporativas.

Para isso, passa-se a realizar o planejamento estratégico de pessoas, paralelamente ao planejamento estratégico geral da empresa.

Essa evolução do conceito de estratégia de RH se deu pela necessidade de aumentar a eficiência das organizações e mantê-las competitivas no mercado.

Desta forma, ter uma estratégia de gestão de pessoas é fundamental para o desenvolvimento organizacional.

Aliando a estratégia de RH à automação, muitas empresas estão buscando aumentar os ganhos operacionais e comerciais.

É o caso de 47% dos 312 líderes e tomadores de decisão de diversos segmentos da economia que participaram da pesquisa Transformação Digital para Micro, Pequenas e Médias Empresas (MPMEs).

O levantamento, realizado entre os dias 14 e 15 de novembro de 2022, revelou ainda que 98% dos entrevistados reconhecem o impacto positivo da automação e que 92% dos respondentes afirmaram estar em uma etapa de transformação digital.

Destes, 40% estão focados na aquisição e adoção de novas tecnologias.

pesquisa-tendencias-da-economia

Espera-se que haja melhoria do desempenho individual e das equipes com a adoção da tecnologia, transformando processos manuais em digitais e fluidos, proporcionando, assim, melhores resultados organizacionais.

Desta forma, a tecnologia está sendo aplicada na operação de atividades processuais para que as pessoas possam se concentrar nos resultados que chegarão mais rapidamente, confiáveis e na qualidade das entregas.

Esse posicionamento também está explícito em uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças de São Paulo (Ibef-SP) com CEOs, na qual foram ouvidos 33 diretores financeiros de empresas de grande porte, nacionais e multinacionais, associados ao Ibef-SP.

A pesquisa mostrou que o principal destino dos investimentos em 2024 será em tecnologia (60%), em segundo lugar aumento da capacidade produtiva (33,5%) e por último aquisições (6,5%).

O movimento se dá pela necessidade de atualizar as áreas com tecnologia, reduzindo o nível de obsolescência e mantendo a competitividade.

Outro estudo recente, agora da Gartner, apontou que as empresas estão investindo em Inteligência Artificial e em automação de robôs com o mesmo objetivo de aumentar a produtividade e as margens de lucro.

Um terço dos altos executivos ouvidos pela pesquisa considera o investimento em tecnologia uma questão de grande relevância, e apontam a digitalização como uma das principais prioridades de suas organizações também para 2024.

Neste novo momento, a produtividade per capita também ganha visibilidade, sendo uma das cinco principais prioridades estratégicas de negócios dos CEOs, até 2025, contribuindo, assim, para a estratégia de RH.

Para isso, a ciência de dados será a fonte de informação e análise.

tecnologia-questão-relevância

Fazendo uso da automação de tarefas, o RH pode passar a atuar supervisionando as entregas ao invés de se ater a tarefas minuciosas que tomam o tempo, assumindo assim uma postura estratégica.

Para ver como isso funciona na prática, vamos explorar os principais subsistemas de RH e como a automação pode ser aplicada a eles.

Recrutamento e seleção

Recrutar e selecionar pessoas para a empresa é uma das funções mais importantes que um profissional de RH pode exercer dentro da empresa.

Escolhendo a pessoa correta, toda a produtividade da organização será positivamente afetada, e o contrário também.

Por isso, retirar dele atividades muito manuais e repetitivas favorece a assertividade do processo seletivo, que lida com um grande volume de dados em currículo.

Com o auxílio de uma ferramenta de automação é possível, por exemplo, automatizar a triagem das candidaturas e acompanhar todo o funil de seleção, começando pelo anúncio da vaga até os últimos resultados das entrevistas.

Outro processo de impacto na estratégia de RH é a admissão e integração de novos colaboradores.

Neste início de jornada, o Departamento Pessoal precisa mobilizar diferentes áreas para que o novo colaborador inicie no trabalho dentro do prazo, processo que contempla muitas tarefas de comunicação e monitoramento de entregas.

Além disso, ao realizar a admissão de diversos colaboradores, o fluxo de movimentações aumenta, o que dificulta a gestão.

Com um software que automatize as tarefas mais rotineiras e concentre as informações da admissão, é possível analisar onde há gargalos que impedem o comprimento do prazo da vaga, por exemplo.

Um dos grandes problemas das ações de treinamento e desenvolvimento é a dificuldade de engajar a equipe e mensurar a efetividade e resultados.

Com a digitalização dos treinamentos, além de ampliar a esfera de alcance geográfica dos treinamentos e reduzir os custos operacionais, essas duas grandes demandas são solucionadas.

A automação permite o registro em massa de dados sobre conclusão dos cursos, realizar a correção automática de testes, emitir certificados e, ainda, gerar relatórios com dados consistentes.

Em uma plataforma especializada em gestão de conteúdo, ainda é possível contar com ferramentas de gamificação, criação de trilhas de conteúdo personalizadas e gestão em massa de usuários.

Ferramenta essencial para uma boa gestão de desempenho, a avaliação de desempenho é um processo que exige muito do RH dado o volume de ações envolvidas.

Fazem parte dela a definição das competências e do tipo de escala; o treinamento da gestão; a comunicação de todos os colaboradores e a confecção de formulários.

Além disso, é necessário registrar a participação de todos os colaboradores, compilar dados para relatórios e armazená-los, assim como promover os feedbacks entre líderes e liderados.

Quando feita usando planilhas, o risco de erros na avaliação de desempenho é muito grande. Já com a automação, o risco de falha humana é reduzido.

A automação da avaliação de desempenho pode ser aplicada utilizando uma plataforma ou software específico, que permite a gestão em massa dos dados e automatiza a confecção de relatórios de desempenho, por exemplo.

Treinamento e capacitação de equipe

Desenvolver habilidades para lidar com a automação é um desafio de todo o profissional que quer se manter relevante no mercado de trabalho.

Portanto, tanto profissionais de RH quanto qualquer outro colaborador devem buscar competências técnicas relativas à tecnologia.

Funções operacionais tendem a ser substituídas por automação ou inteligência artificial generativa.

A tecnologia deve ser considerada uma facilitadora e aprimoradora de habilidades.

Todavia, é necessário garantir que a equipe de RH tenha acesso adequado a treinamentos sobre o tema e ferramentas de automação.

Acompanhamento e análise de resultados

Como saber o impacto da automação sobre os processos de RH? A implementação de métricas vai ajudar a avaliar os resultados.

Afinal, toda estratégia de RH, incluindo a automação, deve ter sua efetividade mensurada.

Algumas métricas para acompanhar são:

Vagas fechadas: indica a pontualidade do recrutamento e seleção de pessoas sobre uma vaga.

Desempenho e produtividade: cria um feedback geral do setor, apresentando os funcionários com melhor desempenho.

Avaliação de desempenho e avaliação de potencial.

Retorno sobre investimento (ROI): busca esclarecer se os investimentos foram positivos para a empresa ou não, medindo o retorno.

Recomenda-se cruzar o ROI com outras métricas, como recrutamento e seleção, avaliação de desempenho e outras.

Relação HR para FTE: compara os níveis de envolvimento dos colaboradores, indicando a produtividade de cada um de acordo com as horas úteis trabalhadas.

Antes de implementar qualquer métrica, veja se ela faz sentido para o processo o qual você está otimizando com a automação.

É preciso ter bem claro o objetivo da automação, o que ela vai resolver e, a partir disso, decidir a melhor métrica.

Com os resultados, você saberá se o investimento foi bem alocado e pode subsidiar outras decisões estratégicas.

Conclusão

Automações e outras tecnologias, como as Inteligências Artificiais, estão entre as prioridades de investimento das empresas, que buscam melhorar mais a eficiência dos processos e o aumento da lucratividade.

Desta forma, nenhuma área da empresa ou profissional deve ficar de fora e deixar de se atualizar sobre as novas tecnologias.

Elas vêm para substituir tarefas operacionais, facilitando o dia a dia e liberando as horas de trabalho para atividades que exigem competências humanas, como gestão.

Dentro do RH, vários processos podem se beneficiar da automação, como o R&S, o T&D e a Gestão de Desempenho.

Digitalizando esses subsistemas, a estratégia de RH estará se adequando ao novo momento do setor, o RH 4.0.

Como estão os processos na sua empresa? O que falta para a estratégia de RH da sua organização decolar?

Avalie e busque soluções digitais de automação.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Assine nossa Newsletter

Email:
Nome: