UseRH

Avaliação de desempenho de equipes: 5 pontos a serem considerados

Primeiro estabelecer metas para depois avaliar; ou primeiro avaliar para depois colocar metas? Organização comenta equívocos comuns cometidos na gestão de equipes.
Foto da CEO da UseRH, Jaciara Pinheiro.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

As plataformas digitais de RH têm revolucionado a gestão de pessoas, tanto da parte dos RHs quanto das lideranças de áreas.

Elas têm possibilitado visualização, acompanhamento, correção de rotas, feedback e reconhecimento do que é combinado com as equipes. E por isso a UseRH, solução do Grupo RHOPEN, tem observado o crescente interesse e adesão de companhias dos mais diversos segmentos.

No entanto, na ânsia de aplicar a ferramenta ao dia a dia, algumas situações deixam de ser consideradas, ou mesmo invertidas.

Apesar da tecnologia chegar para somar e ser um grande facilitador de processo, como diria o saudoso escritor Roberto de Castro Neves, ainda somos membros da Natureza Humana Futebol Clube. Isso significa que, por mais profissionalizados que sejam os processos, ainda estamos trabalhando com pessoas e para pessoas. Ou seja: querendo ou não, trazemos para a empresa os mesmos mecanismos de relacionamentos que temos na nossa esfera pessoal”, declara a diretora Técnica da UseRH, Jaciara Pinheiro.

Foto da CEO da UseRH, Jaciara Pinheiro.
Jaciara Pinheiro, CEO da UseRH e do Grupo RHOPEN.

Posto isso, entre avaliação de desempenho e metas, o que estabeleço primeiro para meus colaboradores? Ouso responder que são as metas, e explico o por quê”, completa a executiva.

De acordo com a especialista, uma vez que a avaliação afere o desempenho dos colaboradores, primeiro deve-se combinar algo para depois avaliar.

Quando eu transfiro o colaborador para uma função, preciso alinhar com ele entregas, prazos, comportamentos, e, acima de tudo, posturas e atitudes. As empresas em geral têm pecado muito nessa parte, e por mais simples e óbvio que pareça, esse simples e óbvio custa tempo e dinheiro”, alerta Jaciara.

A executiva enumera cinco perguntas que os gestores devem considerar para si na avaliação de desempenho de suas equipes:

- Eu sei expressar ao meu colaborador o que espero dele?

Aqui vai desde os OKRs, até os aspectos comportamentais. Não adianta repreender ou questionar se antes você não deixou claro o que deveria ser cumprido”, esclarece Jaciara.

- Eu alinhei sobre possíveis mudanças e ajustes de rota?

Quando realizamos o processo seletivo, temos a tradicional descrição de cargo e atribuições, mas muitas vezes isso muda no meio do caminho e deve ser considerado na avaliação. E, nesse meio do caminho, você alinhou com seu colaborador se haveria mudanças nas metas? Se sim, pontuou quais?” questiona a executiva.

- Meu colaborador sabe os comportamentos e resultados esperados dele para ser considerado uma pessoa de bom desempenho?

Essa pergunta evita diversos saltos no escuro e transbordamentos de ansiedade”, aponta Jaciara, acrescentando também o risco da “síndrome do coelho de Alice”, como é conhecida no meio empresarial: “se você não indica para seu colaborador para qual caminho ele deve ir, qualquer caminho serve. Daí eu pergunto: serve mesmo?” provoca a executiva.

- Estou cobrando algo que não combinei?

Cobrar algo do time que não se combinou antes é acreditar que o óbvio existe! E, na verdade, não existe óbvio quando falamos de pessoas, expectativas e entregas. É preciso combinar antes para não sair caro depois.

Se um líder quer, de verdade, que as pessoas à sua volta se desenvolvam e entreguem cada vez mais, precisa realizar combinados bem feitos. Só é possível avaliar o que atende ou o que supera se tivermos uma régua de medida, e o combinado cumpre esse papel”, explica Jaciara.

Desta forma, acreditar que não se precisa combinar as coisas ‘porque as pessoas devem ser proativas’ é querer que sejam ‘mágicos com bola de cristal!’”, conclui.

- Toda a minha equipe sabe o que eu espero?

Um colaborador confuso pode eventualmente ser um sinal isolado, porém serve de alerta. Já dois colaboradores com pouca clareza de conduta já acendem o sinal amarelo. Mais do que isso, já há uma demonstração palpável de que o problema não é a sua equipe e, sim, as instruções não estão sendo transmitidas com clareza ao time”, avalia Jaciara.

Se sua equipe apresenta esses sinais, cabe fazer uma autoavaliação e verificar se os meios e mensagens utilizados estão em consonância e, caso não estejam, quais ruídos devem ser corrigidos o quanto antes”, pondera.

Para finalizar, a executiva ressalta que, atrás de todas as variáveis citadas, está algo intrínseco ao relacionamento humano: o alinhamento de expectativas.

O filósofo Luiz Felipe Pondé tem uma frase sobre relações interpessoais que também é usada de forma bem oportuna no meio corporativo: ‘A origem do ressentimento da humanidade está no desalinhamento de expectativas’. Em suma, eu não posso cobrar e nem nutrir expectativas por aquilo que não combinei, tampouco alinhei. Isso deveria ser o básico de qualquer conduta entre gestores e equipes, porém é uma dor que acomete equipes de empresas de todos os portes e expertises”, completa Jaciara.

SOBRE A USERH

A UseRH é uma plataforma digital de gestão de Recursos Humanos pensada por profissionais de RH. É a solução para empresas que desejam automatizar seus processos de forma simples, intuitiva, amigável e com alto potencial de engajamento dos usuários.

A plataforma da UseRH possibilita experiências digitais positivas de treinamento e desenvolvimento, avaliação de desempenho e, em breve, de onboarding.

Assine nossa Newsletter

Email:
Nome:

Quero treinar e desenvolver meus colaboradores com a plataforma da UseRH:










Cargo Atual:

Funcionários:
Eu concordo em receber comunicações: