UseRH

dezembro 23, 2022

10 estatísticas sobre redução de turnover usando onboarding de colaborares

A chegada de um novo colaborador à empresa é um momento de grande expectativa e que demanda planejamento para que ele seja integrado o quanto antes à equipe e de maneira eficiente.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Isso porque, além de ajudar o novo profissional a alcançar mais rápido o seu melhor potencial na função, um bom onboarding contribui também para reduzir o turnover.

O turnover pode ser considerado alto quando as saídas de colaboradores ultrapassam 10% ao ano.

Neste artigo, vamos ver como reduzir o turnover nas empresas usando o onboarding.

O que é onboarding de uma empresa?

Derivada do inglês, a palavra onboarding significa “receber, integrar e promover”. Podemos dizer, então, que o onboarding é a forma da empresa dar as boas-vindas ao novo colaborador.

Tecnicamente, é o movimento que se faz quando um novo profissional chega à corporação para integrá-lo à equipe. Desta forma, o onboarding também é conhecido como o processo de integração.

As autoras Glauce Paiva e Jaqueline Monteiro, no livro Jornada RH Ágil apontam a importância do onboarding:

“Esse processo deve ser tratado com prioridade dentro do RH, pois tem como objetivo acolher o novo colaborador para que ele se sinta seguro no novo ambiente que ele escolheu trabalhar. Deverá ser planejado de forma bem estruturada, pois resulta em colaboradores integrados à equipe e com responsabilidade de desempenhar sua função da forma mais eficiente possível.” (MUNIZ …[et al.], pg 129, 2021 )

Nesse processo é apresentado tudo sobre a empresa, benefícios e a função a ser executada, é feita ainda uma imersão na cultura.

De acordo com as autoras, os primeiros dias, semanas e meses do novo colaborador são muito importantes para o employer branding e, para isso, o encantamento tem que acontecer logo na chegada dele à empresa.

É o RH o responsável pelo onboarding e por organizar todos os setores envolvidos no processo.

Uma pesquisa da Bamboo HR revelou que o onboarding traz benefícios que impactam diretamente no engajamento, alinhamento e conexão do colaborador com a empresa, reforçando a afirmação das autoras.

Segundo o levantamento, o colaborador que passou por um onboarding sólido é 91% mais propenso a se conectar com os colegas da equipe e vice e versa e que 89% dos profissionais que tiveram uma integração eficiente se sentem mais alinhados com a cultura organizacional da sua empresa, respeitando a organização e se mantendo alinhado com o negócio.

Qual o objetivo do onboarding?

Como já citado acima, o onboarding facilita a chegada de novo colaborador à organização e inicia a jornada dele na empresa.

A forma como o onboarding será feito vai se adequar às necessidades da empresa e do colaborador. Desta forma, existe onboarding de TI, onboarding de logística, onboarding de vendas e centenas de outros.

Em uma pesquisa da CareerBilder e SilkRoad, 2019, 93% dos empregadores declararam que uma boa experiência de onboarding é crucial para a decisão de um novo colaborador de permanecer na empresa.

De fato, o onboarding apresenta muitos benefícios para a empresa e para o colaborador, entre eles:

– Motiva o recém-chegado a oferecer o seu melhor desempenho;

– Reduz a curva de aprendizado;

– Fortalece a imagem positiva da empresa como marca empregadora;

– Orienta o crescimento do novo colaborador.

Chiavenato (2008) afirma que o onboarding (programa de integração) tem o objetivo de fazer com que o novo colaborador assimile de maneira intensiva e rápida a cultura da empresa e passe a se comportar como um membro que veste a camisa da organização.

Ele também destaca a clara relação entre o onboarding e a retenção de talentos:

“Na realidade, a socialização representa uma etapa de iniciação particularmente importante para moldar um bom relacionamento a longo prazo entre o indivíduo e a organização. Mais: ela funciona como elemento de fixação e manutenção da cultura organizacional.”. (CHIAVENATO, p. 186, 2008)

Ou seja, é uma ferramenta poderosa para evitar o turnover.

ilustração onboarding

10 estatísticas que provam que o onboarding é capaz de reduzir o turnover de colaboradores

1 – Um processo de integração mal executado é uma das principais causas da rotatividade de funcionários e dá prejuízo à empresa. (Business News Daily)

2 – Passar por um processo de onboarding sólido torna o novo contratado 91% mais propenso a se conectar com os colegas da equipe e vice-versa. (Bamboo RH)

3 – 93% dos empregadores concordam que uma boa experiência de integração é fundamental para influenciar a decisão de um novo contratado de permanecer na organização. (Business News Daily)

4 – 89% daqueles que receberam uma integração eficaz sentem-se fortemente integrados à sua cultura, em comparação com 59% daqueles que receberam uma integração ineficaz. (Bamboo RH)

5 – Os funcionários que acreditam que sua integração foi altamente eficaz tiveram 48 vezes mais chances de se sentirem altamente apoiados por sua organização, 30 vezes mais chances de ter alta satisfação no trabalho. (Bamboo RH)

6 – 28% dos funcionários deixarão seus empregos após 3 meses devido à experiência ruim de integração. (Urban Bound)

7 – 69% dos funcionários têm maior probabilidade de permanecer na empresa por pelo menos 3 anos após uma ótima experiência de integração. (O.C. TANNER)

8 – Novos contratados em empresas com programas de integração mais longos relatam ser mais proficientes em suas funções 4 meses antes do que em empresas com programas de integração curtos. (O.C. TANNER)

9 – Quase 1 em cada 10 funcionários (9%) deixa uma empresa devido a uma experiência de integração ruim (CareerBilder e SilkRoad)

10 – Entre os profissionais de RH, 53% indicaram que a integração aprimorada aumenta o engajamento dos funcionários. (CareerBilder e SilkRoad)

Jornada do onboarding

Vimos que o processo de integração mal feito – ou não feito – é uma das principais causas para o turnover, o que pode custar à empresa de 100 a 300% do salário total do funcionário. Ou seja, o onboarding é um passo importante para o sucesso da organização.

Por isso, não dá pra reduzir o onboarding de novos colaboradores a apenas um dia ou à entrega de um kit de boas-vindas.

É preciso de tempo para que o colaborador consiga absorver uma gama grande de informações institucionais.

Então, como fazer o onboarding?

O e-book Onboarding Transformador, da Rhopen Consultoria, sugere que esse processo seja dividido em 4 etapas: pré onboarding, onboarding, coaching onboarding e acompanhamento, que podem ser resumidas desta forma:

Pré-onboarding: aviso formal da aprovação do profissional na empresa, início do processo de admissão, instruções iniciais sobre o local de trabalho, vestimentas e agenda, apresentação do “anjo” e entrega de press kit.

Onboarding: apresentação do novo colaborador à equipe e à empresa, treinamentos de integração e treinamentos obrigatórios para o cargo e específicos do setor. .

Coaching onboarding: acompanhamento direto do gestor com feedbacks constantes sobre o desenvolvimento do novo colaborador, entrega de pequenos desafios.

Acompanhamento: após o período de experimentação e pequenos desafios, acrescenta-se projetos maiores e trabalho em equipe.

De acordo com Chiavenato (2008), no programa de integração deve-se:

– Informar ao novo colaborador os assuntos organizacionais: missão, visão e valores, políticas, estrutura, produtos e serviços, regras e procedimentos, instalações, procedimentos de segurança;

– Orientá-lo sobre os benefícios oferecidos: horário de trabalho, dias de pagamento, programas de benefício;

– Apresentá-lo à equipe e introduzir seus deveres: responsabilidades, visão geral do cargo, tarefas, objetivos, metas e resultados.

Já as autoras Glauce Paiva e Jaqueline Monteiro (2021), além de sugerirem um roteiro de planejamento, informações e práticas também recomendam realizar pesquisa de satisfação com o novo colaborador na primeira semana e, após, a cada mês.

Uso da tecnologia no onboarding

De acordo com um estudo da Kronos Incorporated, publicado em 2018, a integração é uma fraqueza crítica para a maioria das organizações.

Na pesquisa, 36% dos gestores de RH das empresas participantes citaram a falta de tecnologia como o motivo de sua incapacidade de automatizar e organizar programas de integração. E 55% das empresas disseram que não medem a eficácia dos programas de integração.

Com isso, podemos observar que a falta de automação no onboarding além de dificultar a sua execução, ainda reduz o valor do trabalho realizado, uma vez que não é possível mensurá-lo.

Uma solução para este problema é adotar um workflow de onboarding, onde todas as etapas de integração de um novo colaborador já são determinadas e as partes envolvidas são notificadas a cada admissão iniciada.

Em breve, a UseRH vai lançar o módulo de Onboarding, uma solução completa para empresas que desejam automatizar esse processo e ainda ter integração com outras soluções, como Universidade Corporativa e Avaliações.

Conclusão

Um bom processo de onboarding de novos colaboradores traz benefícios para a empresa, como a diminuição da rotatividade, alinhamento com a cultura, bom ambiente de trabalho, reforço do employer branding e aumento de produtividade.

É no onboarding que os recém-contratados têm a primeira experiência profunda de conexão com a empresa e com seus colegas de trabalho, refletindo em benefícios a longo prazo para organização e colaborador.

Com um sistema que automatize o processo, o RH tem mais fôlego para realizar um onboarding completo e eficaz, que poderá ter seus resultados mensurados.

O sistema da UseRH em breve terá uma solução para Onboarding integrado.

Para conhecer o sistema da UseRH, solicite uma demonstração.

Assine nossa Newsletter

Email:
Nome: